Storytelling: a arte de contar – boas - histórias


Uma história que comove, que traz identificação imediata e que aflora sentimentos. Poderia ser um filme, mas não é. É apenas a narrativa cativante da campanha “Os últimos desejos da Kombi”, da Volkswagem, que conta a história do veículo. Um vídeo de um pouco mais de quatro minutos, narrado em primeira pessoa, que arrancou lágrimas de muita gente que encontraram ali memórias de suas próprias vidas. Essa campanha sobre o encerramento da linha de produção da Kombi é um dos principais cases de sucesso da técnica conhecida como storytelling.

Mas o que seria isso? Em inglês a expressão "tell a story" significa "contar uma história". Ou seja, storytelling é transmitir uma ideia de forma simples, como se estivesse contando uma história com começo, meio e fim. Ou melhor, é uma maneira de transformar algo em uma narrativa que encante o seu cliente - despertando sensações e sentimentos -, visando a identificação do consumidor com a marca.

Como contar uma boa história

O intuito do storytelling é encantar e cativar uma audiência. Uma narrativa bem contada desperta gatilhos mentais nas pessoas que influencia na hora decisão. Mas para que a mensagem seja assertiva e que toque diretamente no seu público, você precisa ter a noção exata de quem ele é.

Uma boa história é a soma de alguns fatores que devem estar muito bem alinhados, tudo de acordo com o seu público-alvo: palavras e vocabulário adequado, enredo bem montado, personagens que representem desejos, frustrações e a realidade do receptor. Com isso, soma-se os elementos visuais como: fotos, vídeos, infográficos, podcasts e outros. Tudo compõe uma narrativa que é capaz de emocionar, entreter e persuadir o seu público.

Dentro da comunicação, são diversas marcas que utilizam essa técnica. Talvez a Coca-Cola seja uma das marcas que melhor faz uso do storytelling, principalmente nas propagandas de final de ano. No final de 2017, a empresa traz a bebida como um agradecimento àqueles que nos ajudaram e que fizeram o melhor por nós. Inclusive, era possível comprar latinhas com mensagens personalizadas no site da marca. Confira o anúncio:

A Coca-Cola gera milhões de compartilhamentos e comentários sobre suas campanhas. Um processo que evangeliza o consumidor final e propaga a marca em todos os cantos do mundo.

Por trás da história

Existem seis formatos de storytelling que podem e devem ser utilizados:

A Jornada do Herói

No livro “O Herói de Mil Faces”, Joseph Campbell nos apresenta a Jornada do Herói, ou Monomito, um estudo que mostra a presença de um padrão narrativo em diversas histórias. Segundo o autor, todas as narrações giram em torno de um “herói”, que pode ser tanto um herói propriamente dito, como os heróis da antiguidade, quanto um herói subjetivo.

Ou seja, é baseado na superação. Um personagem que tem uma aventura ou uma grande mudança pela frente, mas tem medo, reluta e assume suas fraquezas. Apesar de tudo, ele supera os obstáculos e vence o desafio. E porque isso se conecta com o público? Bem simples, as pessoas gostam de histórias de superação.

Inimigo Público Comum

Existe uma identificação com um grupo, o que gera a sensação de pertencimento. Existe uma clara segregação entre a comunidade da qual você faz parte e os outros. Ou você é “um de nós”, ou então é “um deles” e obviamente você não quer isso. Esse tipo de narrativa aproximas as pessoas porque elas gostam de se sentir parte de algo.

Jornada do Idiota

Essa jornada é baseada na superação de erros, na perseverança e no aprendizado. O personagem tem dificuldades, comete erros e toma decisões equivocadas. Mas ele aprende e continua tentando atingir seus objetivos, aprendendo com cada tropeço e motivando todos a sua volta. E a maioria das pessoas começam assim, com pouca preparação e muitos erros, por isso esse tipo de narrativa se conecta com o público.

Do Fracasso à Fama

Mesmo com inúmeras tentativas de sucesso e com vários fracassos, em algum momento você atingiu seus objetivos e por isso ficou famoso. Esse tipo de narrativa dá certo porque histórias de superação e vitória também aproximam as pessoas, pois elas gostam de ter espelhos e inspirações.

Herói Por Acidente

Em um determinado momento você percebe que tem um problema e consegue resolvê-lo. Ajuda alguns amigos e a informação se espalha. E você, mesmo com defeitos, é capaz de resolver os problemas, tornando-se inspiração. Por que acontece a conexão com público Resolver dores com uma história pessoal aproxima as pessoas, pois você ajuda com mais propriedade de causa.

Nós somos parecidos

Nesse tipo de narrativa o objetivo é criar uma identificação pessoal. Nós somos parecidos, temos os mesmos sonhos e medos. Você sabe a solução dos problemas, pode ajudar a superá-los e por isso decidiu compartilhar os resultados. Aqui os semelhantes se atraem e experiências ajudam a minimizar o medo.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square